domingo, 20 de junho de 2010

Casamento

                                                                                    
















Há dois cômodos brancos na casa
Que separam duas vidas incomuns
e se fazem presente na estranheza do convívio relutante.


No café, a amargura do gosto quente
Mistura-se com o mau hálito do álcool da véspera
Entre um sussurro e um grito
O ódio queima as vísceras do inimigo.


À tarde, a cópula ainda indesejada
Causa violência estomacal.
O outro fica a observar como bicho faminto
As unhas vermelhas que tocam a vulva.


Sem palavras e muitos ressentimentos,
Impregnado de imagens eróticas
O casal se sacia com a masturbação
E se vê obrigado a partilhar o alimento.


Dani R.F.

Um comentário:

Júlio (ponto) disse...

Olá pessoal do Trem de Doido! Vi a mensagem de vocês no Bodegário e fiquei muito feliz pelo interesse no texto "Carta I". Estejam à vontade pra publicá-lo. Abraços!