sexta-feira, 13 de maio de 2011

Bar Verde

O pedreiro Vargas
mais conhecido como Ceará
não poupa sua grana nos fins de tarde
come e bébe sem cerimônias

Trocado suado no bolso
por vezes amassado
mas um luxo

Unha roxa
banha frita no aquecedor
seresteiro passado
a prosa diluída
entoada encharcada

Os artistas são o tal violão empenado
e o negro segurando um copo na gabiarra,
ele caiu da bicicleta semana passada
e quebrou os dois braços

3 comentários:

Murdock disse...

esse é o bar verde lá da Rua Santana???? ou só meus amigos que o apelidamos assim???
ótimas e frequentes postagens, parabéns

Lucas Ferreira disse...

É o próprio sô Murdock.
Valeu mesmo pelo elogio.

Abraço!

O Filósofo disse...

Bar Verde..... O nome pegou hein!?